Eletroencefalografia

O EEG é um exame simples, não invasivo e indolor que analisa a atividade elétrica cerebral espontânea. Como esta atividade está presente desde o nascimento, o EEG pode ser útil em todas as idades, desde recém-nascidos até pacientes idosos. O objetivo desse exame é obter registro da atividade elétrica cerebral para o diagnóstico de eventuais anormalidades dessa atividade.

PRINCIPAIS INDICAÇÕES


  • Suspeitas de alterações da atividade elétrica cerebral e dos ritmos cerebrais fisiológicos.
  • Epilepsia ou suspeita clínica dessa doença.
  • Pacientes com alteração da consciência.
  • Avaliação diagnóstica de pacientes com outras doenças neurológicas (ex: infecciosas, degenerativas) e psiquiátricas.




PREPARO


  • O paciente deve estar bem alimentado no momento da avaliação.
  • Lavar e secar bem o cabelo para permitir melhor fixação dos eletrodos.
  • Não utilizar nenhum produto no cabelo após a lavagem (fixadores, gel, cremes, óleos, tinturas…).
  • Dormir no máximo três horas na noite anterior ao exame para o registro durante o sono.
  • Crianças de 2 a 12 anos devem dormir o mínimo possível na véspera ou no dia do exame.
  • Bebês podem ser alimentados durante a colocação dos eletrodos para facilitar a indução do sono.
  • Não é necessário suspender os medicamentos de uso contínuo, mas eles devem ser informados ao médico.




NO DIA DO TRATAMENTO


Comparecer ao setor com 30 minutos de antecedência portando os seguintes documentos:

  • RG.
  • CPF.
  • Cartão do convênio.
  • Pedido médico dentro do prazo de validade.
  • Guia autorizada do seu convênio, se necessário.
  • Exames anteriores, se houver.
  • Sempre informe seu médico sobre medicamentos utilizados e demais condições físicas.




PROCEDIMENTO


O EEG é realizado através da colocação de eletrodos no couro cabeludo, com auxílio de uma pasta condutora que, além de fixá-los, permite a aquisição adequada dos sinais elétricos que constituem a atividade elétrica cerebral.

  1. Registro espontâneo da atividade elétrica cerebral durante a vigília (paciente acordado).
  2. Se possível, registro também durante a sonolência e o sono.
  3. Registro em provas de ativação: hiperpnéia e fotoestimulação intermitente




OBSERVAÇÕES


Normalmente não ocorrem complicações, no entanto, pode acontecer (raramente) que pacientes epilépticos tenham uma crise durante o exame, principalmente quando feita a foto estimulação. Se ocorrer, na UNEN o paciente estará num ambiente mais protegido e com maior assistência do que nas crises que acontecem aleatoriamente. Com as pessoas não epilépticas, em geral, nada ocorre.